Era uma sexta-feira eu já estava na fase final de minha preparação para a Travessia 14 Bis, que aconteceria em 8 dias. Já estava preocupado pois no domingo eu estava inscrito pra uma prova de 4km em Cabo Frio, e uma prova de média distância (e com maior velocidade) não era recomendada na reta final de preparação para uma prova tão longa como a 14 Bis. Mas a prova de Cabo Frio era uma etapa de um circuito nacional o qual estou participando desde o começo do ano e é seletiva para uma prova especial, portanto eu tinha que participar.

Foi então que meu amigo André Santos me ligou e disse que estava inscrito em um desafio que consistia em sair nadando da praia de Boracéia rumo à Ilha Montão de Trigo, no melhor estilo náufrago de Tom Hanks. Ele falou que não poderia participar do desafio haja vista que fora selecionado numa concorrida vaga de emprego em que batalhava há anos e que seu primeiro dia de trabalho seria já na segunda-feira, exatamente o dia do desafio. Me perguntou se eu aceitaria ir em seu lugar, proposta essa que eu aceitei na hora, muito entusiasmado pela curiosidade e fascínio que essa ilha me traz.

No dia seguinte eu viajei à Cabo Frio, para a referida prova de 4km que aconteceria no domingo. Durante essa longa viagem que caiu minha ficha da encrenca que havia me metido: prova de 4km no domingo, Monte de Trigo de 14km com uns doidos na segunda e 24km da 14 Bis no sábado. Confesso que nem consegui aproveitar direito a viagem à Cabo Frio, lugar com praias muito bonitas e que eu estava indo pela primeira vez.

Para aumentar mais a adrenalina, fiquei sabendo que o desafio Montão de Trigo seria feito por meio de uma rota inédita, ou seja, ninguém havia testado esse trajeto antes pra saber se era factível ou não. Além disso, havia a previsão de entrada de uma ondulação de sul e chuva bem nesse dia. Voltei de Cabo Frio no domingo e fui para Bertioga. Nem dormi direito, meio ansioso, meio tenso. Não sabia como meu corpo, que já estava meio fadigado, se comportaria em alto mar.

No dia seguinte encontrei o pessoal, atletas e equipe de apoio. A equipe de apoio contava com um barco pilotado pelo capitão Alemão, cara que manja tudo do mar, um caiaque e uma equipe do Corpo de Bombeiros com jet-ski. Além disso, vi que os atletas eram todos experientes. Nosso time era bom e isso deu mais tranquilidade.

O percurso em alto mar é alucinante, quanto mais nos afastávamos da costa, mais transparente ficava a água. Lá fora tudo tem uma proporção maior, as ondas são maiores, é uma enorme massa d’água vindo e indo de todos os lados, e a profundidade chega à 2000 metros. A nós cabe apenas admirar e respeitar, com muita humildade, pois lá fora nós não somos nada.

Apesar de tudo isso, o trajeto foi tranquilo. Deu pra nadar num ritmo confortável e sem desviar muito da rota. Ao longo do trajeto eu e o experiente nadador André Ortega abrimos uma distância considerável do grupo, e por segurança achamos que não seria bom ficar à deriva no aguardo do resto do grupo, então continuamos nossa rota.

Em algum momento começou a chover no horizonte, o que dificultava a visibilidade da ilha, mas foi passageira e a chuva não chegou até nós.

Na chegada à ilha, a água é bem transparente e é possível ver diversos corais e fauna marinha. Lá não tem praia, então a chegada é feita no meio das pedras, que além de serem escorregadias, também são difíceis de se equilibrar.

Ficamos lá esperando o resto da galera chegar. Cada uma das chegadas foi bem comemorada. E pra celebrar essa conquista tivemos um almoço típico caiçara oferecido pela família da dona Wanda, Adilson e Valéria que nos acolheram em sua casa. Comemos arroz, feijão, peixe pescado na ilha, um pirão de peixe com temperos nativos da ilha e uma pimenta malagueta cultivada lá, comida natural e muito boa.

A volta foi tranquila, mesmo de barco a viagem foi longa o que deu mais clareza sobre o tamanho da façanha.

Fiquei muito feliz por cumprir o desafio, tanto pela natação em águas abertas que tanto gosto, como pela experiência de conhecer uma ilha selvagem e sua comunidade local. Vai ser legal, no futuro, poder contar para o meu filho sobre esse dia.

Parabéns a todos os atletas e muito obrigado à equipe de apoio. Grandes amigos que ficarão pra sempre na memória.