Agradeço à "DEUS",  em nome de "JESUS CRISTO ",  Nosso Salvador , por ter me capacitado com Fé, Coragem e intrepidez e pela oportunidade de ter participado da "Equipe de Apoio" deste tremendo desafio de 14 km de natação entre a praia de Boracéia até a ilha de Montão de Trigo.

Embora não seja um marinheiro experiente, pratico pesca amadora de caiaque no mar,  e foi por falta de um parceiro de remo que acabei no barco de apoio ao invés de estar no caiaque,  pois o meu é duplo.

Acompanhei desde o início o sonho do meu amigo e irmão de fé George. Confesso que no começo não acreditei muito que se realizaria, embora ele já estivesse treinando à algum tempo.

O sonho começou a tomar formato de realidade  quando depois de alguns adiamentos,  eu e minha esposa Vanusa, George e a Francis fizemos de caiaque uma jornada de reconhecimento ida e volta,  até a ilha para tratar da logística para receber os atletas após a prova e verificar as marés e correntezas. A  partir dai tive certeza que a coisa era séria e ele não desistiria até alcançar o objetivo.

Voltando agora para a prova, nossa missão era apoiar esses intrépidos atletas fornecendo hidratação e alimentos e também dar assistência em caso de algum imprevisto. Apesar das grandes marolas que não davam trégua e o constante bater do casco do barco contra elas a tarefa seguia dentro do planejado até que nossas valentes meninas Bia e Francis  marearam, fim que poderia ter sido também o meu se não fosse o providencial DRAMIN EM GOTAS que ingeri 5:30 da manhã, temendo justamente por essas condições do mar.

Resgate feito, meninas em terra, podemos retornar a tempo de  registar e narrar a chegada do Ortega e do Vitor que estavam bem a frente do restante do grupo, para esses dois o desafio foi vencido.

Nossa missão continuava,  restava ainda dois grupos na água:  um puxado pelo Miranda e acompanhado pelo Alexandre no caiaque, o que nos tranquilizou, restando ainda Magnum e George, que por alguns momentos sumiram de nossas vistas e por mais que nós e os companheiros dos Bombeiros buscássemos, não conseguimos encontrá-los. O jeito foi parar e orar para que os encontrássemos em segurança, o que pela "Graça de Deus" aconteceu, já estavam em terra. Missão comprida só restava o retorno ao continente.

O melhor foi estar com cada um de vocês, atletas, equipe e família, desfrutando de suas companhias e estreitar os laços de amizade. Fico por aqui aguardando a próxima, mas até lá , como aprendi com os amigos Bombeiros:

"  FIBRA " ! ! !